Cada actitud, cada gesto cuenta para el combate a la pobreza extrema y la exclusión. Hay varias formas de actuar, independientemente de nuestras capacidades y disponibilidad. Estos mensajes, estos testimonios son la expresión de estas experiencias. Siéntase libre de contribuir.

Los testimonios se publican bajo la responsabilidad del autor. Están sujetos a la validación, que se publicará sólo si cumplen con la forma y el fondo del espíritu de este día, tal como se define en la Carta Internacional del 17 de Octubre.

 

Rede Europeia desafia autarquias a empenharem-se no combate à pobreza

O presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza (EAPN) Portugal desafia as autarquias a empenharem-se no combate à pobreza, uma luta que diz que só poderá ser ganha se os pobres forem envolvidos na solução do problema.

"Estamos cada vez mais convictos e conscientes de que os pobres só vencerão a pobreza na medida em que forem participantes ativos na solução da sua situação", disse o padre Jardim Moreira, que falava à Lusa a propósito do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que se assinala a 17 de outubro.

Por outro lado, salientou, "cada vez mais, as autarquias têm um papel importante de se envolver na ação social", em "cada sítio e em cada concelho", na luta contra a pobreza.

A partir também da "perspetiva do Governo de centralizar competências para as autarquias", a EAPN tem vindo a solicitar a participação das autarquias nas iniciativas que tem vindo a desenvolver de luta contra a pobreza, tendo muitas já aderido, disse o presidente da organização.

A rede tem vindo a constituir por todo o país "conselhos locais de cidadãos", integrados por pessoas que viveram ou vivem em situação de desfavorecimento social, que se identificam com os objetivos da organização e desejem contribuir voluntariamente para o combate à pobreza e à exclusão social.

O objetivo, explicou o padre Jardim Moreira, é que "seja cada vez mais a sociedade civil a assumir o papel e a responsabilidade de lutar contra a pobreza", criando "uma equidade a partir do conhecimento da dignidade, da liberdade de cada pessoa humana em Portugal".

Para assinalar o dia para a erradicação da pobreza, a EAPN promove na terça e na quarta-feira, em Lisboa, o "IX Fórum Nacional de Combate à Pobreza e/ou Exclusão Social", que pretende sensibilizar a sociedade civil para "a importância da participação na inclusão social de pessoas desfavorecidas, mostrando que a participação é possível e tem resultados".

Para o padre Jardim Moreira, "a participação dos pobres e excluídos na sua problemática é fundamental para que eles possam encontrar a libertação e uma participação ativa, digna e livre na sociedade onde pertencem".

O dia 17 de outubro será também assinalado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que irá receber em audiência algumas pessoas em situação de pobreza e responsáveis da EAPN, avançou à Lusa.

Em 2016, 2,595 milhões de portugueses encontravam-se em risco de pobreza ou exclusão social, ou seja, 25,1%, menos 1,5 pontos percentuais face no ano anterior, segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística.

Do total de pessoas em pobreza ou exclusão social, 18,8% (cerca de 487 mil) tinham menos de 18 anos e 18% (cerca de 468 mil) tinham 65 ou mais anos.

Casas com falta de divisões habitáveis, sem casas de banho, apertadas e escuras são os problemas nas condições de vida que mais afetam famílias com crianças que se contam entre os que estão em risco de pobreza.

presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza (EAPN) Portugal